País terá vacinas fracionadas contra a febre amarela

Quatro meses após declarar o fim do surto da febre amarela, o Ministério da Saúde anunciou ontem que usará doses fracionadas para imunizar as populações dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia contra a doença. A estratégia emergencial, adotada pela primeira vez no país, é usada somente em situações de alto risco de disseminação da doença. A expectativa é atender 19,7 milhões de pessoas, sendo 10 milhões no Rio, entre fevereiro e março.

Ontem, subiu para quatro o número de mortes por febre amarela confirmadas em São Paulo este ano. Um homem de 48 anos que estava internado num hospital da capital morreu no início da tarde. O ministério ainda investiga 92 notificações ocorridas desde julho em quatro estados — além de São Paulo, há também Rio, Minas Gerais e Distrito Federal.

O fracionamento estudado dividiria uma dose padrão para até cinco pessoas. A medida não prejudica a eficácia ou a segurança da vacina, mas influencia no tempo de proteção — a convencional protege pela vida inteira, e a fracionada, por oito ou nove anos.

No primeiro semestre do ano passado, foram registrados 777 casos de febre amarela e 261 mortes. Segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros, que destinará R$ 54 milhões à nova campanha, a declaração do fim da emergência seguiu os parâmetros adequados.

No Rio, a campanha será focada em 15 municípios da região metropolitana. A meta é vacinar 95% dos moradores dessas cidades. No ano passado, o Norte e o Noroeste fluminense receberam mais atenção, sobretudo as cidades próximas às divisas com Espírito Santo e Minas Gerais.

 

Fonte: O Globo