ARTIGO: Um governo efetivamente novo para o Rio de Janeiro, de Wilson Witzel

 

Um estado sem rumo, deslegitimado pela corrupção e pelo descaminho. Serviços públicos descontinuados, população desassistida, recrudescimento da violência urbana. Capacidade de investimento zero, infraestrutura em frangalhos. Um corpo de servidores desmotivado, sem esperança, penalizado por anos de salários atrasados. Neste panorama sombrio, recolocar o Estado do Rio de Janeiro na rota do crescimento e do desenvolvimento econômico e social se toma uma missão inglória, que poucos têm a coragem e a temperança necessárias para assumir.

Pois foi em meio a este cenário que o novo governo, de forma surpreendente para a maioria - mas não para nós, que sempre confiamos na capacidade de escrutínio da população -, assumimos após recebermos um voto de confiança da grande maioria dos eleitores, que compreendeu a necessidade de mudança e referendou nossos compromissos inarredáveis com o combate à corrupção e o resgate da autoestima dos fluminenses.

Mas após sete exaustivas e proveitosas semanas de trabalho no Gabinete de Transição, o que de fato encontramos? Encontramos um corpo de servidores técnico e capacitado, que não se eximiu em levantar dados e produzir diagnósticos gerenciais que, se por um lado expõem os enormes desafios de gestão que temos pela frente, por outro deixam inequívocas as enormes potencialidades que possuímos. Identificamos iniciativas e ações relevantes, passíveis de serem resgatadas e aperfeiçoadas, cujos impactos podem ser multiplicados por uma gestão mais eficiente e moderna, focada em resultados e respaldada pela recuperação do planejamento e da coordenação administrativa.

Nos deparamos com possibilidades concretas de fazermos diferença com ações simples, mas contundentes, baseadas no fortalecimento do corpo gerencial dos órgãos. Mapeamos oportunidades únicas de trabalharmos em parceria com o setor privado e organizações da sociedade civil, buscando diversificar a captação de recursos e recuperar a capacidade de investimento do estado. Vislumbramos grandes impactos produzidos a partir do fomento à inovação e à criatividade, oxigenando a capacidade de entrega das equipes.

Fonte: O Dia

E mais do que tudo: pudemos sentir nos olhos de cada um dos colaboradores que esteve envolvido neste processo tão rico e diversificado a certeza inequívoca de que juntos podemos construir um estado mais próspero, inclusivo e cidadão.

O bom combate está apenas no início, mas um novo tempo para o Estado do Rio de Janeiro já começou. Há sete semanas.

Um estado sem rumo, deslegitimado pela corrupção e pelo descaminho. Serviços públicos descontinuados, população desassistida, recrudescimento da violência urbana. Capacidade de investimento zero, infraestrutura em frangalhos. Um corpo de servidores desmotivado, sem esperança, penalizado por anos de salários atrasados. Neste panorama sombrio, recolocar o Estado do Rio de Janeiro na rota do crescimento e do desenvolvimento econômico e social se toma uma missão inglória, que poucos têm a coragem e a temperança necessárias para assumir.
Pois foi em meio a este cenário que o novo governo, de forma surpreendente para a maioria - mas não para nós, que sempre confiamos na capacidade de escrutínio da população -, assumimos após recebermos um voto de confiança da grande maioria dos eleitores, que compreendeu a necessidade de mudança e referendou nossos compromissos inarredáveis com o combate à corrupção e o resgate da autoestima dos fluminenses.
Mas após sete exaustivas e proveitosas semanas de trabalho no Gabinete de Transição, o que de fato encontramos? Encontramos um corpo de servidores técnico e capacitado, que não se eximiu em levantar dados e produzir diagnósticos gerenciais que, se por um lado expõem os enormes desafios de gestão que temos pela frente, por outro deixam inequívocas as enormes potencialidades que possuímos. Identificamos iniciativas e ações relevantes, passíveis de serem resgatadas e aperfeiçoadas, cujos impactos podem ser multiplicados por uma gestão mais eficiente e moderna, focada em resultados e respaldada pela recuperação do planejamento e da coordenação administrativa.
Nos deparamos com possibilidades concretas de fazermos diferença com ações simples, mas contundentes, baseadas no fortalecimento do corpo gerencial dos órgãos. Mapeamos oportunidades únicas de trabalharmos em parceria com o setor privado e organizações da sociedade civil, buscando diversificar a captação de recursos e recuperar a capacidade de investimento do estado. Vislumbramos grandes impactos produzidos a partir do fomento à inovação e à criatividade, oxigenando a capacidade de entrega das equipes.
E mais do que tudo: pudemos sentir nos olhos de cada um dos colaboradores que esteve envolvido neste processo tão rico e diversificado a certeza inequívoca de que juntos podemos construir um estado mais próspero, inclusivo e cidadão.
O bom combate está apenas no início, mas um novo tempo para o Estado do Rio de Janeiro já começou. Há sete semanas.