Witzel e Doria debatem sobre segurança e turismo

 

Turismo e segurança pública fizeram parte dos temas tratados no primeiro encontro após as eleições entre os governadores eleitos do Rio, Wilson Witzel, e João Doria, de São Paulo. Os dois almoçaram no último sábado (03.11) no Hotel Palácio Tangará, na Zona Sul da capital paulista. Entre os assuntos discutidos estava ainda a criação de um marco regulatório para parcerias público-privadas (PPPs), que sejam do interesse dos dois estados, com o objetivo de tentar reduzir as demandas judiciais.

- Construímos uma pauta de integração entre o Rio e São Paulo, os dois estados mais importantes economicamente do país. E uma pauta para o Brasil -, disse Doria, em um vídeo postado nas redes sociais.

Witzel e Doria querem estimular o turismo entre os dois estados, com uma proposta que será apresentada ao presidente eleito Jair Bolsonaro. Doria está articulando, inclusive, uma possível reunião, ainda este mês, com Bolsonaro, com a participação de governadores. Witzel, por sua vez, defendeu a união das pautas de turismo e de infraestrutura dos dois estados, e falou sobre a segurança pública.

- O Brasil precisa de infraestrutura de logística, de trem de superfície, e nós já definimos alguns parâmetros que vamos levar para outros governadores. Na pauta da segurança, vamos falar a mesma língua. Bandido não pode viver como está hoje, sambando na cara da polícia - afirmou.

Doria também defendeu ações mais rigorosas contra criminosos.
O deputado federal Otávio Leite (PSDB-RJ), que será responsável pelo setor de turismo na equipe de transição de Witzel, e é apontado também como futuro titular da pasta, participou do almoço. O governador eleito de Brasília, Ibaneis Rocha (MDB), estava no Hotel Palácio Tangará, mas não se reuniu com Witzel e Doria.

É esperada para esta segunda-feira (05.11) a resposta do secretário de Fazenda do Espírito Santo, Bruno Funchal, ao convite de Witzel para assumir a pasta no futuro governo fluminense. Inicialmente, o governador eleito do Rio havia feito a proposta à secretária-executiva do Ministério da Fazenda, Ana Paula Vescovi, que recusou. Funchal também foi sondado para gerir a Fazenda do Rio Grande do Sul, em 2019.

Fonte: O Globo